CLIVE

BARKER

Esse homem multifacetado, entrou na Universidade de Liverpool para estudar literatura inglesa e filosofia. Aos 21 anos, mudou-se para Londres, onde formou uma Companhia de Teatro para produzir peças que ele mesmo escrevia, e com apenas duas décadas de vida, já trabalhava como escritor, diretor e ator. Suas peças foram “A História do Diabo”, “Frankenstein Corpos apaixonados”, “Sutis”, “A Vida Secreta de Caricaturas” e um jogo sobre o pintor favorito dele, Goya, “Colosso” intitulado. Estas peças escritas por ele na época, agora estão sendo publicados em um livro chamado “Livro do Pandemônio”. As qualidades imaginativas eram uma parte fundamental do trabalho teatral dele. Mais ganhou notoriedade mundial, por criar um estilo autoral de fazer terror, sendo considerado posteriormente como um gênio do terror moderno.

  Nos anos 80, ele se tornou o nome mais proeminente da literatura de terror contemporânea. Quando lançou no início da sua carreira, os primeiros 3 volumes da sua bem-sucedida coletânea de contos chamados Livros de Sangue, por uma pequena editora inglesa chamada Sphere Books em 1984, eles fizeram um modesto sucesso no Reino Unido. O verdadeiro estouro mundial da obra foi quando ela foi lançada nos Estados Unidos, com o endosso (na verdade um elogio rasgado) do grande responsável pela popularização do Terror na literatura, o mundialmente famoso escritor Stephen King, com a frase mais do que conhecida: “Eu vi o futuro do Horror… E seu nome é Clive Barker”. Que ajudaram com que Clive Barker fosse catapultado ao estrelato, em todos os países do mundo, tornou-se uma celebridade, e seus Livros de Sangue viraram best-seller, venderam incrivelmente em todo o mundo.

 

Leia mais na nova edição da Revista Pitanga