NEIL GAIMAN

O AUTOR DE SANDMAN

PROVE ESSAS TAMBÉM

PROVE ESSAS TAMBÉM

Neil Gaiman fez sucesso escrevendo histórias em quadrinhos em um tempo em que o gênero ainda era considerado, pela maioria das pessoas, um subproduto literário. A série Sandman, publicada de 1988 a 1996, revolucionou o conceito de comic books. Gaiman, que nasceu na Inglaterra e hoje vive em Minnesota, nos Estados Unidos, ganhou praticamente todos os prêmios importantes de literatura de ficção. Vários de seus romances, como Stardust, Deuses Americanos e Os Filhos de Anansi, estiveram na lista de mais vendidos do New York Times. Ele dirigiu um filme e, nos próximos dois anos, três de suas histórias chegam aos cinemas lançadas por grandes estúdios de Hollywood. Mas Gaiman também escreve livros para crianças.

     Agora, Os Lobos nas Paredes é lançado no Brasil. Uma história em que lobos saem - literalmente - das paredes aterrorizando uma família, que se vê forçada a enfrentar seus medos para reaver a casa em que vive. Não espere de Gaiman historinhas clássicas onde todos são felizes e há uma clara lição de moral. Todos os seus textos, mesmo para crianças, são subversivos. Não por acaso, ele conquistou fãs declarados como o rabugento escritor Norman Mailer. A seguir, Gaiman fala da experiência com a literatura infantil, de sua coleção de abóboras e da casa à família Addams em que vive.

 

Você nasceu na Inglaterra, mas vive em Minneapolis. Podendo viver em qualquer cidade no mundo, por que o interior dos Estados Unidos? É para fugir dos fãs?

Minha mulher é americana. Ela queria ver os parentes. E se você é um escritor, pode viver em qualquer lugar. Independentemente de onde eu morasse, os fãs viriam atrás. Mas a verdade é que eu queria uma casa como a da família Addams. E, em Londres, Pa- ris ou Nova York, você não encontra uma casa como esta em que vivo.

 

Entre seus hobbies estão plantar abóboras e colecionar computadores...

Sim, é verdade. Tenho várias no quintal. Cultivo abóboras de formatos esquisitos. Com formas di- ferentes. Mas no último ano viajei muito. E, se eu não cuido, ninguém cuida. Então meu hobby foi praticamente exterminado. Já de computadores, eu sempre gostei e fui acumulando.

 

 

Você já disse que criar histórias é um processo desgastante e difícil. Hoje, como você desenvolve suas histórias?

A história geralmentes vem primeiro. Uma idéia como Os Lobos nas Paredes é relativamente sim- ples. Quando sentei para escrever, não ficou muito boa. Pensei: provavelmente o melhor a fazer é

colocar essa idéia de lado e tentar novamente mais tarde. Um ano depois, tentei de novo. Mas só al- guns meses depois veio subitamente uma idéia na minha cabeça. Veio acompanhada daquela voz que diz: esta é a história. Aí sentei e escrevi toda a coisa pela terceira vez e foi perfeito.

 

Leia mais na nova edição da Revista Pitanga